Buscar
  • Patricia Ansarah

Quando o que você precisa, é ter clareza daquilo que não quer.

Olhando para trás, eu sempre soube o que eu queria fazer. Talvez eu não estivesse tão atenta a isso em alguns dos movimentos que fiz na minha vida profissional. Ou, talvez, estivesse apenas me desafiando a experimentar novas coisas. Ou, me ocorre ainda, que talvez eu estivesse apenas indo.. ou fazendo movimentos esperados socialmente para alcançar a "tal da carreira de sucesso".



Ao longo da minha trajetória profissional como executiva de RH, tive a oportunidade de conhecer muita, mas muita gente boa, cheia de potencial e com muita certeza do que queria. Foram anos trabalhando com líderes, com reflexões sobre carreiras, com ações de retenção, discussões de sucessão, conversas de desenvolvimento individual, instrumentalizando e preparando indivíduos, times e organizações para grandes transformações de cultura, de negócio, de rumo, de perfil, ufa! Vi e vivi um pouco de tudo.....

...mas quase não vi espaços para dialogar e estimular a reflexão do que não está nos planos do profissional.

O que você não quer mais?

Esse é um espaço sensível. Sensível porque trabalha com a expectativa do outro (sim, porque o outro, o chefe, a organização quer que você faça, tenha, seja, aceite, vá, performe, arrase, etc), mas principalmente porque exige uma boa dose de autoconhecimento, experimentação e coragem para dizer nãos por aí para se manter alinhado com aquilo que é realmente importante para você.

Somos treinados desde pequeno a dizer o que queremos e a pensar o que temos que fazer para chegar lá. Pouco se estimula o pensar sobre aquilo que não se quer - e muito menos sobre o porquê.

E nesses 20 anos trabalhando em empresas das quais me orgulho muito de ter feito parte, adoeci algumas vezes no meio do caminho: vivi a depressão, a ansiedade, a angústia e a tristeza que me fizeram emagrecer, engordar, exaurir, me tornar agressiva, apática, ausente, desenvolver processos alérgicos e insônia, até aprendi - com líderes com os quais eu trabalhei - a tomar remédios para dormir!

E nada disso parece fazer sentido quando você não olha pra dentro pra entender que parte de você está sendo descuidada. Que valores seus estão em choque?

Olhar para dentro e reconhecer o que realmente importa é fundamental para descobrir o que sim e o que não (e o que não mesmo!). Olhar para dentro, desperta para si mesmo e para o seu estado de bem estar desejado.

e as reações fisiológicas e emocionais são sinais que o corpo dá quando as suas relações de trabalho e pessoais já não cuidam mais de você mesmo e passam para o estágio de relações tóxicas.

Tem sido muito comum trabalhar com clientes executivos que sabem bem o que querem e onde querem chegar mas que se surpreendem no meio do caminho quando se dão conta de que, para dar um próximo passo em direção ao seu objetivo, precisam saber "de core" que música já não topam mais dançar.


Deixo aqui para reflexão:

1) Você conhece os seus valores fundamentais?


2) Como eles estão presentes em sua vida, hoje? No trabalho, nas suas relações pessoais, etc..


3) Você sabe dizer quais são os valores que você não abre mão?


4) Quais valores você gostaria de viver mais plenamente?


5) Sabe dizer como se sente quando esses seus valores não são atendidos? Que reações fisiológicas ou emocionais despertam em você? Que comportamentos você passa a ter?


Ter clareza disso vai te ajudar a tomar decisões de forma mais consciente e vai te sinalizar para os nãos que você talvez tenha que começar a dizer para se manter alinhado aos seus valores e cuidar de você.

Quando você diz não para o outro, é pra você que está dizendo SIM em primeiro lugar.
4 visualizações